sexta-feira, 11 de maio de 2012

Maio mês das mães - 2a ídola escrevendo pra mim =)

Desde que engravidei comecei a acompanhar o blog da Marcella o Mon Maternité e pela nossa história de vida meio parecida me identifiquei muito! Afinal a minha Sophia e a Sophia dela não foram definitivamente planejadas, mas nem por isso deixaram de ser muito AMADAS!

Assim fiquem com a Marcella e suas palavras lindas! Muito obrigada querida pela rica contribuição! 

"Ser mãe ... Sou mãe!

Era quarta-feira, vinte e nove de outubro de dois mil e oito, por volta das doze horas e quarenta minutos que minha vida mudou! Sabe quando a gente está como passageiro num automóvel, tudo calmo e tranquilo e o carro bate contra um poste e aquele estado de inércia acaba e tudo que estava indo bem sobre um abalo gigantesco?! Então ... foi assim que eu me senti quando duas listras cor de rosa aparecerem naquela fina tira de papel mergulhada num copo plástico descartável cheio do meu xixi.

Marcella e sua Sophia

Três anos e sete meses já se passaram e posso afirmar que a maternidade foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida! Hoje tenho certeza que até aquele “terremoto” eu não sabia viver, não sabia o sentido e o significado da vida, não entendia o que era amor, carinho, saudade ... eu não conhecia o amor incondicional!

Desde o meu “positivo” até o nascimento da Sophia, eu não me sentia mãe, eu era uma mulher grávida! A maternidade ainda não havia acontecido na minha vida, eu conseguia perfeitamente separar eu e o feto, embora hoje, olhando para trás, saiba que tudo o que vivi foi uma invenção da minha cabeça para tentar fugir da minha realidade. Eu não falava “minha filha”, eu apenas estava grávida de uma menina! Não vivi a gestação!

No fundo, ou bem no raso, eu tinha vergonha daquela situação. Inventei milhares de desculpas esfarrapas para não fazer chá de bebê e não quis ser fotografada em momento algum. De alguma maneira, que pensava –ou achava- que fazendo isso não teria “provas” de que eu seria mãe. Não queria ver ninguém ... tentava me apagar em roupas de ginástica confortáveis. Isso foram os quatro/cinco meses de gravidez que tive!

Como me arrependo! Como sofro hoje por não ter feito um book fotográfico! Como me sinto uma imbecil de não ter feito chá de panela, mesmo que ali tivessem apenas minha mãe, irmã, sogra, tia, prima, três ou quatro amigas e cunhada! Como me sinto uma imbecil de ter perdido a oportunidade de viver a maternidade mais tempo.

Hoje eu vibro com o sorriso da minha filha, tenho orgulho de falar que SOU MAMÃE de uma princesa linda. E olha que nem sempre foi assim. Sophia nasceu horrível! Eu tinha um sono incontrolável nos primeiros meses e pedia para que alguém a tirasse de perto de mim para que eu pudesse dormir. Justificava na falta de privacidade meu total desinteresse em amamenta-la. Foi horrível, foi frustrante, foi um pesadelo! Queria voltar no tempo e evitar que essa gravidez mais que indesejada tivesse acontecido! Perdão Senhor Deus por tamanha ingratidão ... chega a ser pecado, mas estou aqui para dar minha cara a tapa! Preciso desabafar que não foi nada fácil, nada desejado ...

Foi na tarde de seis de fevereiro de dois mil e nove que eu entendi o significado de viver. Antes eu era viva, um ser humano que compreendia que os seres vivos nascem, crescem e morrem; a partir daquela sexta feira de verão eu descobri que eu sou uma mamãe que ama, cuida, zela e vive por um frutinho do meu amor! Com a chegada da Sophia meu mundo ficou cor de rosa, assim como aquelas listrinhas que indicavam que eu estava grávida!

O tão amado Dia das Mães está chegando e não posso negar que me envaideço demais com a chegada dessa data. Porque SER MÃE é uma benção que a gente não pede, não procura, não compra, não rouba ... a gente recebe de Deus! E é a melhor coisa que Ele poderia dar para uma mulher, a dádiva de gerar, cuidar, ensinar, cuidar, zelar por uma vida.

Quando a Dani, mãe da também princesa Sophia me convidou, fiquei muito honrada com o convite, afinal, estar na casa de uma amiga falando da minha maternidade e do que ser mãe para mim é uma responsabilidade enorme! Sinto-me honrada em estar hoje aqui, contando um pouco sobre a minha vida, da minha princesa e da minha maternidade!

Antecipadamente desejo um abençoado Dia das Mães para todas que aqui estão... que todas nós tenhamos muito amor, paciência, responsabilidade e Deus no coração para que possamos guiar nossos frutinhos no caminho do bem! Essa é a maior e mais difícil tarefa de uma mãe, ser exemplo positivo para sua herança!

Deus abençoe e FELIZ DIA DAS MÃES!!! "

4 comentários:

Mon Maternité disse...

Amiga linda ... me emocionei com suas palavras!!! Você é uma amiga especial, uma mãe maravilhosa e uma mulher super guerreira! Te amo demais!!

Obrigada pela oportunidade e pelo convite! Muitíssimo obrigada!

Beijos, Má
monmaternite.com

Andreia Sales disse...

Dani quantas visitantes por aqui.
Estou adorando.
Bjks pra você e Marcella !!!

Em uma nova vida disse...

NOssa alguém anotou a placa do caminhão .............
..............que passou por cima de mim?
Sério,me emocionei de verdade com a História da Marcela e com a sua Dani.
As vezes a gente acha que só a gente tem problema,não tem sensibilidade com as dificuldades alheias,estamos na maior parte do tempo preocupados com nós mesmos.Pude nesse tempo de blog acompanhar algumas histórias que me deixaram com vergonha de mim mesma por reclamar tanto de tudo.
Meninas vcs são guerreiras mesmo,levanto e bato palmas..vcs merecem..UM feliz e especial dias das mães. E obrigada por dividirem com a gente suas histórias.

Bete Strøm disse...

Feliz dia das maes, para vc e todas blogueiras...bjus